Assistência Psicossocial

O atendimento psicossocial no NDCA visa efetuar e garantir o atendimento especializado, e em rede, à crianças e adolescentes em situação de violência e a suas famílias. Ele é um instrumento fundamental para a garantia dos direitos de crianças e adolescentes, que tem como referência básica os princípios de prioridade absoluta, por ser sujeitos de direitos e em condição peculiar de desenvolvimento. Configura um conjunto de atividades e ações psicossocioeducativas, de apoio e especializadas, desenvolvidas individualmente, de caráter disciplinar e interdisciplinar, de cunho terapêutico – não confundir com psicoterapêutico –, com níveis de verticalização e planejamento (início, meio e fim), de acordo com o plano de atendimento desenvolvido pela equipe.

O Serviço de Psicologia tem o papel fundamental na estrutura de funcionamento do NDCA. O atendimento psicológico compreende encontros sistemáticos de apoio e orientação referentes a demandas psicológicas que podem ser trabalhadas no âmbito do NDCA. O atendimento baseia-se em uma prática comprometida com a singularidade do sujeito, que necessita de um espaço em que seja ouvido e tratado como tal, proporcionando uma escuta atenta, oportunizando a emergência de significados ocultos ou inconscientes. O psicólogo é o profissional que exercerá o trabalho com sentimentos e subjetividade de crianças/adolescentes vitimizados e suas famílias – criando ambiente favorável ao resgate da autoestima, à reconstrução de relações afetivas, à reconstrução de significados acerca da vivência, à compreensão acerca da dinâmica familiar, aos limites e cuidados na família, ao desenvolvimento da sexualidade, etc.

Visando fortalecer vínculos e potencializar as famílias em suas funções protetivas, dentro da estrutura do NDCA, o Serviço Social desenvolve as seguintes ações: atendimento em equipe multidisciplinar; acolhimento; escuta qualificada; entrevistas; visitas domiciliares; prestação de informações e orientações na área de atuação do Serviço Social; encaminhamentos para a rede socioassistencial e políticas setoriais e órgãos de defesa de direitos; emissão de relatórios e pareceres sociais; diagnóstico social; acompanhamento social continuado e orientação sociofamiliar.