Graduação

A experiência em busca de novos conhecimentos

por Mara Ferraz

Apesar das dificuldades, eles desafiam a vida em busca do sonho pela formação superior pelo Vestibular Uesb.

Em busca da realização de um sonho, pessoas mais velhas, casadas, mães e pais de família, muitos com uma vida estruturada,  e, até mesmo, quem já concluiu uma graduação também querem conquistar uma vaga na universidade. Por mais desafiador que seja, são essas pessoas que inspiram tantos outros a continuarem lutando pelos seus sonhos.

O Vestibular Uesb 2020 foi cenário um tanto quanto estimulador para isso. Como a história de Paulo César Dias, 56 anos, buscando uma vaga para sua terceira graduação, Ciências Biológicas. De Juiz de Fora, Minas Gerais, Paulo teve que interromper uma das graduações anteriores por problemas de saúde e, agora, não enxerga a idade como um empecilho para essa realização. “Você não tem que ter idade para começar as coisas, tem que realizar o que tem vontade de fazer, seja aos 20, 30 ou 40. Eu não vejo nenhum bloqueio em torno disso. Acho que quem se limita é você e não o outro”, comenta.

Com base no Censo da Educação Superior, o número de ingressantes com idade acima de 50 anos cresceu em torno de 10% de 2010 a 2017. As motivações são variadas: realização de um sonho, ampliação de oportunidades profissionais ou, até mesmo, a ideia de viver novas experiências.

Luciana Gonçalves é um exemplo disso. Formada em Farmácia, empresária do ramo farmacêutico, casada, mãe de dois filhos e, agora, vestibulanda para uma vaga em Medicina. Questionada sobre sua motivação, ela pontua que é a realização de um sonho, apesar das inúmeras dificuldades. “Casada, com filhos, tinha que estudar pela manhã e pela tarde, além de trabalhar. Foi muito difícil devido à falta de compreensão das pessoas na faculdade com relação a minha estrutura”, conta.

Em casa, houve apoio do esposo, filhos e da mãe para a concretização do curso. Agora, ela acredita que não será diferente. “O que me motiva estar prestando Vestibular para Medicina é mais para ajudar o próximo e as pessoas mais carentes, que não têm condição de pagar”, explica Luciana.

Quando a vida desafia

Para além da realização de um sonho, é a própria trajetória da vida que, muitas vezes, dificulta a inserção no Ensino Superior. Vaneide Pereira, de 43 anos, que morava em Almenara, interior de Minas Gerais, relata que só foi possível pensar nisso quando emigrou para uma cidade maior. “A maioria das mulheres que foram criadas no interior não tiveram a oportunidade de ir estudar fora. Como fui criada praticamente na roça, com minha mãe, vim para cidade para buscar estudar e trabalhar”, comenta.

Foi na Pedagogia que sentiu um impulso para conquistar seu espaço: “aos meus 43 anos, decidi fazer Pedagogia e devia ter feito esse curso há muito tempo. Minha afinidade está em saber lidar e entender a juventude. Tentar entrar no universo da adolescência é o meu forte”, completa.