Graduação

Buscando novos horizontes por meio do Vestibular 2017

por Emanuela Lisboa

Sérgio Gomes Carvalho

Várias pessoas nesse Vestibular vieram atrás de novos caminhos a serem trilhados na área profissional. Algumas delas, após o ingresso na Universidade, não se identificaram com o curso escolhido e outras já estão no mercado de trabalho há bastante tempo, mas por algum motivo resolveram mudar de profissão, retornar aos estudos e à rotina universitária. Essas situações exigem esforço e coragem, pois a nova decisão mudará suas vidas.

Mudar possibilita novos horizontes, gera desafios e exige perseverança.

É o caso de Lorena Alves da Silva Souto, que cursa Geologia na Universidade Federal da Bahia (Ufba), e fez vestibular para Medicina. “Não me encontrei em Geologia em momento algum”, revelou. É também o caso de Sérgio Gomes Carvalho. Formado em Pedagogia, Carvalho é professor há 25 anos. Ele está terminando outra graduação, Filosofia, e tenta agora uma vaga para o curso de Direito. “Fiz uma pós-graduação em Direitos Humanos e havia muita coisa da área de Direito, daí comecei a gostar. Eu não pensava antes, mas agora estou tentando. Caso eu consiga ser aprovado e concluir, quero exercer o Direito. Seria uma mudança radical, uma nova página da vida”, ressaltou.

Outro profissional que deseja adentrar em novo campo de atuação é Josmar Lesly da Silva, assistente social, da cidade de Paramirim, Bahia. Ele fez Vestibular para Medicina. “Sempre a gente tem a possibilidade de mudar, sempre é bom tentar ver coisas novas. Eu acho que isso é salutar, contribui para o desenvolvimento do ser humano”, salientou.

Outros candidatos, a exemplo de Paulo César Dias, 53 anos, também estão nessa busca. “Comecei duas graduações na Uesb, estou tentando pela terceira vez para aproximar mais do que eu estou procurando. Fiz três anos de Química, depois passei para Física, mas larguei ano retrasado. Agora vou para Biologia”, relatou. Há também aquelas pessoas que não têm curso superior e, quando chegam a uma certa idade, percebem que ainda podem voltar aos estudos e se formar. Dona Francisca Francimar Arsênio da Silva, de 52 anos, que tenta ingressar no curso de Pedagogia, é uma delas. “Essa é a chance, depois de tanto tempo. Nunca pude estudar por conta de um problema de saúde. Cursei um ano de Serviço Social, mas eu não tive condições de continuar a pagar. Quero realizar alguns sonhos, já que não pude antes. Vejo meus filhos formados, todo mundo estudando e eu preciso interagir com as pessoas. Meu sonho é esse, me tornar uma pessoa melhor”, destacou Silva.

Você pode continuar a conhecer histórias de diferentes pessoas no Vestibular, acessando a Revista Eletrônica da Uesb ou acompanhando os perfis oficiais da Universidade no Facebook, Twitter ou Instagram.