Editorial - Edição 04

Graduação

“Cinema: Eis a Questão” e o olhar do audiovisual no Vestibular

por Patrick Moraes

filmes

Histórias ficcionais ou mesmo grandes relatos de fatos reais feitos pelo cinema fazem parte do nosso cotidiano. Cada vez mais em contato com o universo do audiovisual, nossa sociedade imagética vive intensamente a relação com o cinema por diversos meios. O Brasil, por exemplo, é um dos países campeões de acesso e consumo de TV e internet.

Pensando nisso, em 2004, o Vestibular da Uesb resolveu incluir obras cinematográficas entre os conteúdos cobrados em suas provas. Além de estimular o acesso a essas produções, o projeto “Cinema: Eis a Questão – O Janela Indiscreta no Vestibular”, responsável por essa inclusão, vem com a missão de refletir e falar sobre diversas questões que permeiam nosso cotidiano através da sétima arte. “Foi desafiador fazer acontecer, mas realmente foi muito importante para toda a equipe implantar e desenvolver a proposta do cinema no Vestibular da Uesb”, conta a professora Milene Gusmão, uma das idealizadoras do projeto.

39 filmes já foram selecionados para as provas desde 2004, quando o projeto foi implantado no Vestibular da Uesb.

Coordenadora do Programa Janela Indiscreta Cine-Vídeo, Raquel Costa destaca a importância dessa relação, sobretudo, com quem está buscando seu espaço dentro do universo acadêmico. “A Universidade é e deve ser uma instância possibilitadora do acesso aos bens simbólicos e também da reflexão, da criticidade. É importante que essas pessoas que não estão na Universidade, mas pleiteiam esse lugar, tomem o cinema como fonte de conhecimento e de reflexão sobre a vida, sobre o mundo e sobre o outro”, destaca.

A cada edição, três filmes são escolhidos obedecendo a critérios como as críticas, a relevância dos temas abordados, a qualidade estética e narrativa e a possibilidade de acesso. Para cada processo, títulos novos são escolhidos, atendendo a três categorias: uma ficção nacional, um documentário nacional e um filme estrangeiro. O projeto desenvolve também ações para trabalhar a discussão dessas obras selecionadas. Esse ano, o vestibulando pode conferir professores e/ou pesquisadores convidados comentando as obras por meio de nove vídeos disponíveis no YouTube. Além disso, o livreto “Leituras de Cinema” trouxe textos críticos para ampliar o olhar dos vestibulandos e ajuda-lo na reflexão de diversos aspectos presentes nas produções.

Como isso é cobrado nas provas?

Trabalhando com a linguagem em suas mais variadas formas, a linguagem cinematográfica também se mostra como um veículo que assume um papel importante para compreender o mundo em seus contextos históricos. Neste ano, o Vestibular selecionou os filmes nacionais “Doméstica” e “Uma História de Amor e Fúria”, além do alemão “Ele está de volta”.

Para solucionar as questões, por exemplo, é importante que o aluno consiga identificar e interpretar aspectos como as circunstâncias de determinados diálogos presentes nas obras, bem como a compreensão dos fatos históricos relacionados às narrativas, como explica Itana Marques, presidente do AIETEC – Instituto da Consultec, responsável pela elaboração das provas. “Como definido, as questões que envolvem esses filmes nas provas do Vestibular foram exploradas, de forma transversal, nas áreas de Linguagens e Ciências Humanas. [A linguagem cinematográfica] é, portanto, outra possibilidade de se relacionar e interagir com essa diversidade de linguagens, uma vez que, somente com elas, o ser humano é capaz de apreender e produzir conhecimento”, explica Marques.