Brasão UESB/Governo da Bahia

Entrevista – reitor fala sobre os 35 anos da Uesb

Entrevistas

No ano de comemoração dos 35 anos da Uesb, o professor Paulo Roberto Pinto Santos, reitor da Universidade, faz um panorama histórico, destacando as principais conquistas e contribuições da Universidade para a região na qual está inserida. Dentro dessa perspectiva, o professor relembra um pouco da sua trajetória dentro da Instituição. Além disso, o reitor comenta a situação da Uesb na atual conjuntura econômica, quando menciona os desafios enfrentados pela Universidade para continuar sendo um dos principais instrumentos de produção de conhecimento e desenvolvimento regional.

Professor, na atual conjuntura do país, como o senhor avalia a situação das instituições estaduais de ensino superior da Bahia?

As instituições de ensino superior da Bahia têm uma importância muito grande para o nosso Estado, especialmente para as regiões de atuação de cada universidade. Nós temos, no Estado da Bahia, um PIB muito concentrado na região metropolitana de Salvador, e as universidades são instrumentos para a descentralização dessa condição para o interior, promovendo o desenvolvimento regional e a inserção social, a partir da formação de profissionais qualificados. No caso específico da Uesb, que tem uma área de atuação em três territórios (Médio Sudoeste, Médio Rio de Contas e Vitória da Conquista), ela passa a ter uma influência regional muito grande. Aqui, nós formamos profissionais em 47 cursos de graduação, bem como temos uma forte pós-graduação stricto sensu, com isso, o ensino, a pesquisa e a extensão da Uesb vêm se solidificando. Portanto, mesmo diante de uma situação de crise política e econômica que nós estamos vivendo, a nossa Universidade tem, nesse momento, uma importância fundamental, porque aqui trabalhamos com a formação de pessoas.

É evidente que, com a situação econômica grave que estamos vivendo, tanto em âmbito nacional quanto estadual, isso repercute no orçamento, que vem diminuindo, principalmente, nas questões de manutenção e investimento da nossa Instituição. Isso tem acarretado em dificuldades muito grandes para que possamos manter a qualidade dessa Instituição, como contratar docentes, técnicos e ampliar e conservar a infraestrutura da Universidade, além de comprar materiais de consumo e equipamentos. O grande desejo de toda a comunidade acadêmica e da gestão da Uesb é manter um padrão crescente na melhoria da qualidade daquilo que é ofertado para a região. O nosso grande capital é formado pelos discentes, docentes e servidores técnicos que compõem a nossa Universidade. Por isso, precisamos trabalhar em conjunto para passar por esse momento de grave crise, mantendo essa Universidade como um grande instrumento para o desenvolvimento regional, para a melhoria da qualidade de vida das pessoas, permanecendo como um meio fundamental para se trabalhar a diminuição da desigualdade social na nossa região.

A Uesb está reavaliando seu estatuto. Esse é um momento simbólico para a comunidade? Em que ponto?

É um momento muito importante para a Universidade e para a comunidade acadêmica. O estatuto, na realidade, é onde se encontram as normas que regem a política institucional, a estrutura de como deve funcionar a Universidade, a sua questão organizacional e também de como funcionam os seus conselhos e seus setores. Esse é um documento que tem que ser muito analisado, muito bem pensado e discutido amplamente pela comunidade acadêmica.

É necessário que o maior número possível de estudantes, professores e servidores conheça toda a discussão e participe de todo o processo de construção desse estatuto, porque isso vai afetar a vida de todos. Então, quanto mais plural, democrático e discutido, maior será a eficiência desse estatuto para a consolidação e crescimento da nossa instituição. O estatuto não pode refletir apenas a interpretação e o pensamento de uma gestão ou de alguns grupos que estão trabalhando e interagindo nas discussões, ele tem que representar o pensamento da comunidade como um todo. Para isso, a comunidade tem que se apropriar dessa discussão e ter uma participação efetiva.

No fim do ano passado, a Uesb alcançou nota 4 no Índice Geral de Cursos (IGC). O que isso representa para a Instituição?

É muito importante para a nossa Instituição ter nota 4 no Índice Geral de Cursos. Essa nota nos coloca entre uma das melhores universidades do Estado da Bahia e também do Brasil. A Bahia, hoje, das quatro universidades estaduais, só tem duas com IGC 4, que é a Uesb e a Uesc, e duas universidades federais, no conjunto das universidades públicas do Estado. Isso demonstra, claramente, como nossa Universidade está bem avaliada.

É evidente que uma avaliação como essa só foi possível porque houve um trabalho muito forte de toda a Instituição. Esse é o resultado de um conjunto de ações da graduação, da pós-graduação, da extensão e da administração. Portanto, é uma conquista da comunidade acadêmica, que só foi possível pelo elevado  desempenho dos docentes, discentes, e servidores técnicos e analistas universitários que constroem essa Instituição.

Qual a perspectiva de futuro que o senhor tem para a Instituição?

Essa é uma universidade que tem um reconhecimento da comunidade regional, do próprio Estado e de avaliações externas positivas. A Uesb é uma instituição que, nesses 35 anos de existência, optou pelo fortalecimento do ensino e pela qualificação dos seus docentes e servidores técnico-administrativos. Hoje, nós somos uma Universidade que oferece diversos cursos de graduação, além dos mestrados e doutorados, que são diferenciais no conjunto da área de ensino universitário aqui na nossa região. Isso significa que a Uesb é um grande patrimônio regional enquanto instrumento para o desenvolvimento.

Além disso, essa é uma universidade com uma pluralidade muito grande, uma universidade eclética, democrática, com os muros abertos para a comunidade e que interage com a mesma. Acredito nessa Universidade que tem potencial de transformar realidades, que mantém o olhar para o futuro de forma positiva. A sociedade investe na Instituição e a forma que temos de retribuir é oferecendo à mesma o que é produzido pela Universidade.

Quando eu vejo o futuro da Uesb, eu vejo com bastante otimismo, por tudo que foi construído com o empenho da nossa comunidade acadêmica. Ainda que o ritmo diminua em alguns momentos, seja por dificuldade orçamentária ou outra questão, eu tenho certeza absoluta que a Universidade é capaz de nos fazer sonhar, acreditar e ter certeza da consolidação do ensino, da pesquisa e da extensão e no avanço sempre no sentido de melhorar a vida das pessoas por meio do conhecimento.

Matérias mais vistas

confira as matérias com mais cliques em nossa revista eletrônica

Especial 40 anos
Os primeiros passos de uma universidade
Especial 40 anos
A educação na região Sudoeste...
Especial 40 anos
Passado e presente se encontram em...
Especial 40 anos
40 anos desbravando os caminhos da...
Especial 40 anos
Uesb impulsiona crescimento...
Assistência Estudantil
Políticas afirmativas garantem...
Especial 40 anos
Onde são formados os professores da...
Especial 40 anos
Pesquisa e extensão a serviço da...
Especial 40 anos
40 fatos sobre a Uesb que você...
Especial 40 anos
Laboratórios qualificam a formação...
Especial 40 anos
Universidade oferece oportunidades de...
Especial 40 anos
Qual a cara da Uesb dos 40 anos?