Brasão UESB/Governo da Bahia

O que poderia ser abordado na Redação do Vestibular 2020?

Graduação

“Só existe justiça onde a equidade opera. Igualdade não é justiça!” foi o tema da Redação no Vestibular Uesb 2020

Uma das maiores expectativas dos candidatos ao Vestibular Uesb é o tema da redação. Prova crucial na caminhada rumo à aprovação, a Redação é peso máximo para todos os cursos de graduação no processo seletivo, sendo, inclusive, eliminatória.

Em 2020, o Vestibular trouxe como proposta temática “Só existe justiça onde a equidade opera. Igualdade não é justiça!”. Para auxiliar os estudantes, a prova apresentou, nos textos motivadores, uma definição de equidade e um trecho de Samuel Sabino no qual se discute questões de equidade e igualdade.

Para elaborar uma boa redação, a professora Gabriela Silveira, que atua no Programa Universidade Para Todos, faz um alerta: “falar de equidade é, sem dúvidas, chamar atenção para a necessidade de ser empático às minorias sociais”. Segundo ela, alguns caminhos possíveis para uma redação de sucesso seria “trazer abordagens que viabilizassem a participação justa de populações socialmente marginalizadas, tal como a acessibilidade a pessoas com deficiências, cotas raciais e sociais, meios de sanar a desigualdade de gênero e a financeira”.

A professora sinaliza também a atenção necessária para não fugir da temática proposta. “É preciso ter cuidado para não focalizar o tema da igualdade e esquecer a equidade, ocasionando fuga do tema. Aqui, é necessário pensar que a equidade é o caminho para a justiça social. Dessa forma, é útil manter a atenção em grupos que precisam ser atendidos dessa maneira, ou seja, quem tem menos acesso, precisa de mais atenção e amparo do Estado, das instituições, da família e da escola”, pontua.

Mas o que é equidade?

Pesquisadora da área de Direito Humanos, a professora da Uesb, Luciana Silva, destaca que “minoria não é um conceito relacionado à quantidade. Nas Ciências Sociais, minorias são grupos marginalizados e inferiorizados”. A partir disso, é preciso ponderar algumas questões. “Apesar da Constituição Federal determinar que todos são iguais perante a lei, trazendo o imperativo da igualdade, é preciso que as diferenças entre as pessoas sejam observadas”, completa a professora.

Luciana traça ainda um paralelo entre igualdade e equidade, ponto crucial na temática deste ano. “Enquanto a igualdade traz que todos devem ser tratados de forma igual, a equidade indica que, para atingir a igualdade, as desigualdades precisam ser levadas em consideração. Por isso, a importância da política de cotas e proteção especial para as minorias”, explica.

Para a prova, a pesquisadora enxerga espaço para abordagens em torno das desigualdades sociais brasileiras com possibilidade, inclusive, de dialogar com contextos internacionais. É possível “discutir políticas específicas de proteção das minorias e as resistências de implementação das mesmas como forma de manutenção das assimetrias”, lembra Luciana.

Matérias mais vistas

confira as matérias com mais cliques em nossa revista eletrônica

Especial 40 anos
Os primeiros passos de uma universidade
Especial 40 anos
A educação na região Sudoeste...
Especial 40 anos
Passado e presente se encontram em...
Especial 40 anos
40 anos desbravando os caminhos da...
Especial 40 anos
Uesb impulsiona crescimento...
Assistência Estudantil
Políticas afirmativas garantem...
Especial 40 anos
Onde são formados os professores da...
Especial 40 anos
Pesquisa e extensão a serviço da...
Especial 40 anos
40 fatos sobre a Uesb que você...
Especial 40 anos
Laboratórios qualificam a formação...
Especial 40 anos
Universidade oferece oportunidades de...
Especial 40 anos
Qual a cara da Uesb dos 40 anos?