Brasão UESB/Governo da Bahia

Ações estimulam o uso das tecnologias nas práticas pedagógicas

Extensão

IMG_8563
O avanço das tecnologias digitais tem alterado de forma significativa a vida das pessoas. E, em consequência, os modos de aprender e ensinar estão se reconfigurando, permitindo diferentes possibilidades educativas. Diante disso, surge um questionamento: os professores estão preparados para essa nova realidade?

Para a professora Cláudia Viven, vinculada ao Departamento de Estudos Linguísticos e Literários (Dell), do campus de Vitória da Conquista, as práticas sociais estão permeadas de atividades digitais, mas isso não quer dizer que os profissionais estejam preparados para inseri-las nas práticas pedagógicas. Com isso, torna-se essencial a formação de professores para pensar e fomentar o uso desses artefatos tecnológicos.

Pensando nisso, a docente coordena o Projeto de Extensão Práticas Pedagógicas na Cibercultura, criado em 2012, que é vinculado ao Grupo de Pesquisa Linguagens, Tecnologias e Educação (GPlite). A atividade tem como proposta o desenvolvimento de ações que se relacionam aos processos de ensino e aprendizagem mediados por tecnologias digitais. Para a coordenadora, “a articulação entre conteúdo, pedagogia e tecnologia não é tarefa fácil, mas necessária quando se tem em mente o desenvolvimento de práticas educativas”. Por isso, a formação inicial dos profissionais envolvidos no processo educacional precisa apresentar propostas que viabilizem discussão e desenvolvam práticas em torno dessa temática.

Ações da Uesb buscam discutir e fomentar o uso de tecnologias nas práticas pedagógicas.

Seguindo esse objetivo, além de fomentar discussões sobre as possibilidades pedagógicas na cibercultura e suas implicações para o professor, o Projeto desenvolve uma série de cursos e minicursos voltados para capacitação dos alunos de licenciatura e dos professores da Educação Básica e Superior. Fernanda Quadros, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Letras: Cultura, Educação e Linguagens, faz parte do GPlite. Para ela, iniciativas que abordam essa temática são muito importantes, pois muitas vezes, os cursos de licenciatura não oferecem disciplinas que trabalham o assunto.  “A maioria dos alunos que passa pelas licenciaturas nada estuda sobre Tecnologia da Educação, ou seja, essa temática não faz parte da formação desses discentes”, comenta a mestranda. Segundo ela, o Projeto, por meio de suas ações, oportuniza espaços para “conhecer e aprofundar os estudos sobre práticas pedagógicas que abordem as tecnologias digitais para o ensino”.

Rompendo Paradigmas

“Com o avanço das tecnologias, surgem novos cenários de aprendizagem e renovam-se as demandas por formas inéditas de ensinar e aprender que resultam em desafios e perspectivas para os professores frente às necessidades atuais e futuras”, afirma a professora Cláudia de Farias, vinculada ao Departamento de Ciências Humanas e Letras (DCHL), campus de Jequié.

A docente explica que muitos professores têm dificuldades técnicas para utilizar recursos tecnológicos. Além disso, segundo ela, “há a resistência em romper paradigmas e permitir-se caminhar em direção à abertura para as tecnologias nas práticas da sala de aula”.

No intuito de ajudar os professores a enfrentarem o desafio frente às novas tecnologias, Cláudia de Farias coordena o curso “O uso das tecnologias na prática pedagógica”, que está sendo executado desde maio deste ano no Centro Educacional Landulfo Caribé, localizada no distrito de Florestal, zona rural da cidade de Jequié. Segundo a docente, essa atividade extensionista foi pensada a partir de investigações de membros do Grupo de Estudos e Pesquisas Hermenêuticas sobre Família, Territórios, Identidades e Memórias (GEHFTIM) da Uesb, acerca da prática cotidiana dos professores da Escola na sala de aula. “A partir das observações, percebeu-se que eles ainda encontram dificuldades, tanto técnicas quanto pedagógicas, frente ao uso das novas tecnologias nas atividades didático-pedagógicas”, comenta Farias.

As discussões do curso são norteadas para o uso das tecnologias na educação, sobretudo, as possibilidades que as ferramentas do Power Point podem oferecer na criação de atividades interativas e jogos autorais. A atividade foi dividida em algumas etapas específicas: visitas na escola, reuniões com a direção e com a equipe executora, aulas teóricas e técnicas, momentos para criação de jogos autorais e socialização com os demais cursistas, além da experimentação em sala de aula.

Para Thaila Bastos, aluna do curso de Pedagogia e membro do GEHFTIM, se as tecnologias forem utilizadas com consciência, autonomia e intencionalidades educativas, elas podem contribuir significativamente para a educação, por isso, a importância de uma formação continuada dos professores para o uso das tecnologias em sala de aula. “Durante o curso, percebo as discussões que acontecem com os professores como um momento de ruptura e experimentação do novo, em busca de analisar as possibilidades de inovação e a potencialidade das tecnologias quando entrelaçadas com a intencionalidade do fazer pedagógico”, ressalta a discente.

Matérias mais vistas

confira as matérias com mais cliques em nossa revista eletrônica

Especial 40 anos
Os primeiros passos de uma universidade
Especial 40 anos
A educação na região Sudoeste...
Especial 40 anos
Passado e presente se encontram em...
Especial 40 anos
40 anos desbravando os caminhos da...
Especial 40 anos
Uesb impulsiona crescimento...
Assistência Estudantil
Políticas afirmativas garantem...
Especial 40 anos
Onde são formados os professores da...
Especial 40 anos
Pesquisa e extensão a serviço da...
Especial 40 anos
40 fatos sobre a Uesb que você...
Especial 40 anos
Laboratórios qualificam a formação...
Especial 40 anos
Universidade oferece oportunidades de...
Especial 40 anos
Qual a cara da Uesb dos 40 anos?