Brasão UESB/Governo da Bahia

O vasto campo da Engenharia Florestal

Graduação

Curso de Técnicas de ascensão vertical ao Dossel.

A Engenharia Florestal está presente no Brasil desde os primórdios do seu descobrimento, mas só em 1960 que o exercício da profissão foi regulamentado no país. Na Uesb, o curso foi instituído em 2004, abrindo 40 vagas, pelo vestibular tradicional e pelo Sistema de Seleção Unificada (SiSU), destinadas a formar bacharéis capacitados a desenvolver, produzir, conduzir e conservar áreas florestais.

Informações básicas

Criação: 2004
Modalidade: Bacharelado
Campus: Vitória da Conquista
Duração mínima: 10 semestres

O curso de Engenharia Florestal tem por objetivo envolver o aluno nas quatro áreas que podem ser exploradas profissionalmente. Deste modo, o discente terá contato com a Silvicultura, área que abrange a concepção de floresta, no que diz respeito a sua produção, explorando disciplinas como Produção de Mudas, Sementes Florestais e Patologia e Entomologia Florestal. O graduando também aprenderá como conduzir a floresta depois de plantada e o que fazer com esta produção, estudando a área de Manejo Florestal e a área de Tecnologia de Produtos Florestais, a partir de disciplinas como Melhoramento Genético, Sistemas Agroflorestais, Certificação Florestal, Anatomia da Madeira, Recursos Energéticos, entre outras. Por fim, esse estudante também estudará a Ambiência, área mais restrita aos aspectos ambientais do curso, lidando com Ecologia Florestal, Recuperação de Áreas Degradadas e Avaliação de Impactos Ambientais.

O então coordenador do curso, professor Dalton Longue Júnior, explica que, dentro dessas quatro áreas, esse profissional pode atuar na cidade e no campo. “O engenheiro florestal se insere desde as áreas urbanas, onde temos bosques e pequenos fragmentos de florestas, em que, mesmo não tendo uma importância numérica, são de extrema importância para regular a temperatura de uma cidade; até florestas públicas como na região amazônica, região pantaneira, mata atlântica e alguns biomas extremamente degradados”, esclarece o coordenador. Longue ainda afirma que “nessas áreas é importante ter um engenheiro florestal auxiliando no manejo e enquadramento das florestas para que elas não sejam mais degradadas e ainda para atender a demanda da população com produtos florestais”.

O Engenheiro Florestal é um profissional fundamental tanto nas áreas de florestas como nas áreas urbanas.

Para aproximar os estudantes da vivência com a Engenharia Florestal, o curso propõe aulas de campo que explorem suas habilidades em mensuração florestal, manejo e silvicultura. Para isso, a Uesb dispõe de uma área externa formada por plantios de eucalipto, pinus e madeira nova e uma pequena mata, onde os alunos conhecem uma parte da vegetação da caatinga. Além disso, ainda existem laboratórios destinados a práticas de atividades de controle de pragas e doenças. Para Rita de Cassia Freire, estudante do nono semestre, “o curso de Engenharia Florestal é muito amplo e permite que o aluno tenha contato com diversas áreas. Todas essas áreas permitem que a gente aprenda a manejar os recursos naturais de forma sustentável de forma que esses recursos fiquem para as gerações futuras”, comenta Freire.

De acordo com Maicon Santos da Silva, aluno do sétimo semestre, a decisão de fazer Engenharia Florestal estava muito relacionada com as possibilidades de atuação que a área oferece ao profissional. “A escolha por esta graduação foi pelo fato de eu ter uma vivência no campo e perceber que eu queria continuar ainda nesse caminho, mantendo esse contato com o meio ambiente, e o curso me proporciona isso. Mas, ao mesmo tempo, eu poderia estar escolhendo trabalhar na cidade ou no laboratório, também poderia optar por estar manuseando diretamente a natureza”, afirma o estudante.

Segundo Danilo Novaes, ex-aluno de Florestal, o Curso da Uesb apresenta ótimas condições de ensino e pesquisa, possibilitando ao aluno vários caminhos. Ele, após terminar a graduação, optou pela carreira acadêmica, ingressando em um curso de mestrado em Ciências Florestais, pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG).  “O tempo que permaneci na Uesb, pude ver a evolução do curso e, a partir das experiências que vivi nele, posso dizer que oferece aos alunos condições de ensino e pesquisas tão boas ou até melhores, em alguns casos, se fizermos um comparativo com outras instituições”, destaca.

Matérias mais vistas

confira as matérias com mais cliques em nossa revista eletrônica

Especial 40 anos
Os primeiros passos de uma universidade
Especial 40 anos
A educação na região Sudoeste...
Especial 40 anos
Passado e presente se encontram em...
Especial 40 anos
40 anos desbravando os caminhos da...
Especial 40 anos
Uesb impulsiona crescimento...
Assistência Estudantil
Políticas afirmativas garantem...
Especial 40 anos
Onde são formados os professores da...
Especial 40 anos
Pesquisa e extensão a serviço da...
Especial 40 anos
40 fatos sobre a Uesb que você...
Especial 40 anos
Laboratórios qualificam a formação...
Especial 40 anos
Universidade oferece oportunidades de...
Especial 40 anos
Qual a cara da Uesb dos 40 anos?