Editorial - Edição 12

Graduação

Vestibular além dos dias de provas

por Juliana Silva

Segurança nova principal
Quase a totalidade das instituições de ensino públicas do país ofertam o acesso ao Ensino Superior por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Nesse cenário, a Uesb é uma das poucas universidades que ainda realiza o Vestibular para ingresso de novos alunos em seus cursos de graduação. Assim, oferece aos interessados uma chance a mais de realizar o sonho de estudar em uma universidade pública, gratuita e de qualidade.

Apesar de acontecer apenas uma vez ao ano, a realização do processo seletivo exige um planejamento prévio, que começa meses antes do anúncio do período de inscrição. O professor Reginaldo Pereira, pró-reitor de Graduação, ressalta que várias etapas são necessárias para que todo o processo seletivo aconteça da melhor forma possível. “A primeira, que acontece já no início do ano, é a organização do processo licitatório para contratação da empresa que terá a responsabilidade de conduzir todo o processo seletivo, incluindo a elaboração das provas”, explica.

Para o Vestibular acontecer, é necessário o envolvimento de quase mil profissionais.

O pró-reitor esclarece ainda que, posteriormente, a Pró-Reitoria de Graduação (Prograd) juntamente à Comissão Permanente de Vestibular (Copeve) dos três campi, inicia a revisão do edital e do Manual do Candidato, documentos nos quais constarão todos os detalhes sobre o Vestibular. “Nessa etapa, é quando definimos o período de inscrição, as datas das provas e os requisitos para se inscrever, entre outras coisas”, afirma o professor Reginaldo.

Paralelo a isso, é feito o trabalho de seleção das obras literárias e cinematográficas, que são cobradas nas provas. Posteriormente, tem início a etapa de divulgação do processo seletivo, com o envolvimento direto da Assessoria de Comunicação (Ascom) da Uesb, cujo trabalho envolve criação da arte e de todos os materiais de divulgação necessários, inclusive a produção de peças voltadas especialmente para as mídias sociais.

Além disso, há o trabalho desenvolvido pelo Sistema Uesb de Rádio e TV Educativas (Surte), que colabora para que as informações sobre o Vestibular cheguem a um número maior de pessoas. “Foram produzidas matérias tanto na Uesb FM como na TV Uesb, com o intuito de orientar os vestibulandos”, comenta o professor Rubens Jesus Sampaio, diretor-geral de Comunicação da Uesb.

Outra fase importante para o Vestibular é a seleção dos profissionais que atuarão no processo seletivo. A Copeve abre, também por meio de edital, o período para que os interessados em atuar nos dias das provas possam se inscrever. Os selecionados precisam atender a alguns critérios e passar por um treinamento. “Esse pessoal é treinado para que possa desenvolver suas funções da melhor forma e possa garantir o melhor atendimento aos vestibulandos, evitando qualquer tipo de ocorrência”, destaca o pró-reitor de Graduação.

Em 2019, o Vestibular conta com a participação direta de 944 profissionais, entre fiscais, ledores, intérpretes, coordenadores, jornalistas, equipe de apoio, além de funcionários da empresa contratada.

Feira do Vestibular

Como mais uma forma de divulgar o processo seletivo, a Uesb realizou a Feira do Vestibular, nos meses de outubro e dezembro, nos três campi da Universidade. O evento foi realizado pela Copeve em parceria com os colegiados de cursos e as pró-reitorias acadêmicas.

Durante a Feira, os estudantes tiveram a oportunidade de vir à Instituição, conhecê-la, e ter um contato próximo com as possibilidades de formação que a Uesb proporciona.

Segurança no Processo Seletivo

A Uesb conta ainda com a parceria da Polícia Militar, que colabora para a segurança do Vestibular recebendo e acompanhando a entregas das provas nos locais onde serão aplicadas. Outros cuidados ainda são tomados pela Universidade. “O processo de segurança é feito de forma integral, iniciando o seu planejamento com a elaboração do material e chegando até a distribuição de candidatos nos locais de prova”, explica a coordenadora da Copeve, Alana Muniz.

Segundo ela, essas medidas são aliadas a outros mecanismos de segurança nos dias das provas, como: “impedimentos de porte e o manuseio de aparelhos eletrônicos e similares, uso de detectores de metais e a confirmação da identificação do candidato mediante ao recolhimento de impressões digitais”, completa.

No intuito de evitar fraudes, as folhas de respostas e de Redação e o caderno de questões vêm identificados com os dados nominais e cadastrais dos candidatos. Além disso, por meio da metodologia denominada de “provas com dados variáveis”, para cada candidato é gerado um número de identificação individualizado. “A organizadora da seleção elabora um sistema próprio, a partir de critérios pré-definidos, que asseguram a distribuição dos cadernos de forma aleatória, para que cada candidato tenha o seu gabarito próprio”, esclarece Alana Muniz.