Brasão UESB/Governo da Bahia

Universidades oferecem atendimentos psicológicos em tempo de pandemia

Extensão


Em razão do aumento de pessoas diagnosticadas com a Covid-19, os sistemas e órgãos de saúde têm intensificado a recomendação do isolamento social– principal medida para a dispersão do coronavírus até o momento. Essa nova realidade, agravada pela incerteza sobre o fim da pandemia, vem gerando ansiedade e insegurança em grande parte da população.

Diante disso, os cuidados com a saúde devem ter atenção redobrada. “É normal que todo ser humano apresente alguma tentativa de se autorregular durante um momento de estresse. O que irá beneficiar nosso bem-estar e evitar o adoecimento será a solução encontrada para diminuir a ansiedade e compreender que, neste momento, não temos autonomia sobre a pandemia”, afirma o psicólogo e professor da Uesb, Daniel Drummond.

Em tempo de pandemia, uma das grandes preocupações é a saúde mental. Por isso, instituições de ensino superior, como Uesb e Uneb, estão desenvolvendo projetos que oferecem, gratuitamente, o serviço de escuta e atendimento psicológico.

Partindo do ponto de vista psicológico, o docente alerta: “a forma menos adoecedora de lidar com essa situação é a aceitação, encarar que é uma realidade a existência do vírus e os males que podem causar na humanidade. Entender que, neste momento, não existe uma previsão para retorno das atividades do cotidiano e compreender que é necessário praticar o exercício da organização, tendo em vista que a retomada não vai ocorrer de forma imediata, e sim gradativamente”.

Segundo especialistas, o ideal é que, durante o distanciamento social, as pessoas busquem a realização de atividades que despertem a criatividade, para diminuir o risco de adoecimento mental. Mas, caso isso não seja o suficiente, o indicado é recorrer à ajuda de um profissional qualificado. “Se você está com um nível de sofrimento que é maior do que você pode suportar, procure um profissional, busque ajuda”, reforça Kátia Jane, psicóloga e professora da Universidade do Estado da Bahia (Uneb). “Conversar com um profissional é diferente de conversar com um amigo. O profissional vai lhe ajudar a se reposicionar, encontrar o ponto de fragilidade que, muitas vezes, um amigo não vai conseguir”, lembra a professora.

A docente coordena o projeto de acolhimento psicológico da Uneb.“Inicialmente, o atendimento era realizado presencialmente e exclusivamente para o campus 1 da Universidade, em Salvador. Com esse momento de pandemia, pensamos:‘porque não ampliar o serviço para toda a comunidade unebiana?’”, conta. Assim, desde o início da pandemia no Brasil, o serviço passou a ser disponibilizado, por telefone, para discentes, docentes e servidores técnicos de todos os 24 campi da Uneb, espalhados pela Bahia. Para atender a demanda, a equipe conta com a colaboração de 19 profissionais egressos do curso de Psicologia da Instituição e também do Centro Universitário Jorge Amado.

Ações na Uesb

Na Uesb, iniciativas também buscam contribuir para redução dos efeitos do isolamento na saúde mental. Uma delas é o “Psicologia em Link”, que oferece escuta e orientação psicológica gratuitamente. “O projeto foi pensado visando, principalmente, como o distanciamento social afetaria as pessoas psicologicamente”, comenta Edisio Luz, aluno do curso de Psicologia da Universidade e um dos responsáveis pela ação.

“O primeiro público-alvo estava constituído por estudantes da Uesb, mas, percebendo uma grande demanda de toda a comunidade, transformamos o projeto em algo mais amplo”, conta o discente. De acordo com Edisio, em dois meses de atividade, foram feitos cerca de 150 atendimentos individuais de pessoas da Universidade e da comunidade em geral.

Além do “Psicologia em Link”, o Espaço de Partilha e Aprimoramento Humano (Epah) oferece o atendimento virtual de acolhimento psicológico para discentes, docentes e servidores da Uesb que apresentarem desconforto emocional. Os atendimentos acontecem de segunda a quinta-feira, em horário flexível, e são realizados pelo psicólogo da Universidade, Cássio Montalvão.

A equipe do projeto é composta por 11 estudantes supervisionados pela professora e psicóloga da Uesb, Odilza Lines. O grupo se divide em atividades organizacionais como recepção dos usuários pela central do WhatsApp e Instagram, postagem de conteúdos digitais e realização do atendimento.

Para Edisio, com feedbacks positivos do serviço que vem sendo prestado, a atuação do projeto ressalta a importância da contribuição da universidade em momentos críticos como o que está sendo vivenciado neste momento. “Nos últimos tempos, estamos tendo de lidar com dinâmicas que não nos eram cobradas. O distanciamento social altera rotinas de convívio geral, de estudos e outras atividades. É por esse motivo que ressaltamos a importância da universidade estar atenta às novas demandas que são impostas a toda sociedade”, completa o estudante.

Matérias mais vistas

confira as matérias com mais cliques em nossa revista eletrônica

Especial 40 anos
Os primeiros passos de uma universidade
Especial 40 anos
A educação na região Sudoeste...
Especial 40 anos
Passado e presente se encontram em...
Especial 40 anos
40 anos desbravando os caminhos da...
Especial 40 anos
Uesb impulsiona crescimento...
Assistência Estudantil
Políticas afirmativas garantem...
Especial 40 anos
Onde são formados os professores da...
Especial 40 anos
Pesquisa e extensão a serviço da...
Especial 40 anos
40 fatos sobre a Uesb que você...
Especial 40 anos
Laboratórios qualificam a formação...
Especial 40 anos
Universidade oferece oportunidades de...
Especial 40 anos
Qual a cara da Uesb dos 40 anos?