Graduação

Vestibular Uesb além do conteúdo tradicional

por Taís Patez

Vestibular Uesb propõe discussões sociais e políticas por meio da arte, diferencial para a compreensão de mundo.

“Uma mulher empoderada, que esteve à frente do seu tempo, porque liderava um bando de homens com uma visão atrasada em relação ao papel social da mulher em uma sociedade extremamente machista e patriarcalista, que era o sertão baiano de Jequié há 100 anos”. Assim, o escritor Domingos Ailton descreveu Anésia Cauaçu, personagem principal que dá nome ao livro de sua autoria, uma das quatro obras cobradas no Vestibular Uesb 2020.

Domingos, que já foi professor da Uesb, é o primeiro autor regional a ter um livro integrando o processo seletivo e também foi um dos comentaristas da série de vídeos “X da Questão”, produzida, pela primeira vez, pela Assessoria de Comunicação, com comentários dos livros do Vestibular. Ao todo, foram divulgados quatro vídeos, abordando os principais aspectos dos livros e a importância das temáticas trabalhadas.

Para Domingos Ailton, trazer para o Vestibular uma temática regional, de um autor regional, “significa que a Uesb fortalece o olhar sobre a identidade local e abre espaço para que professores e alunos, não só da região Sudoeste, mas de diversas partes do Brasil, possam conhecer uma das personagens mais importantes do período da República Velha, que foi Anésia Cauaçu”, destaca o escritor.

“Cinema: Eis a Questão”

O incentivo à formação cultural e a preocupação com a preparação dos vestibulandos não se restringem à cobrança de livros. Há 16 anos, o Vestibular Uesb conta com o projeto “Cinema: Eis a Questão”, do Programa Janela Indiscreta Cine-Vídeo, para ampliar o olhar dos estudantes a partir da cobrança de três filmes selecionados.

Além da seleção de filmes, o projeto promove sessões comentadas sobre as obras, nos três campi, com a presença de comentaristas convidados, que são professores pesquisadores de diversas áreas, capazes de dialogar com as temáticas abordadas em cada filme. A partir dos comentários, a discussão é aberta para a plateia, momento em que acontece uma leitura coletiva da obra. “O objetivo do projeto não é só tratar das obras a partir de questões que podem ser tratadas nas provas, é propiciar esse momento de reflexão e de abertura do olhar para uma obra cinematográfica, que é uma obra de arte, fonte de conhecimento e bem cultural”, afirma Raquel Costa, coordenadora do “Cinema: Eis a Questão”.

Obras do Vestibular 2020

Neste ano, os livros cobrados foram “A Farsa de Inês Pereira”, do escritor Gil Vicente, “Anésia Cauaçu”, de Domingos Ailton, “A Audácia Dessa Mulher”, de Ana Maria Machado e “Olhos D’água”, de Conceição Evaristo. Já para os filmes, a seleção contou com “O Grande Ditador”, de Charles Chaplin, “Abrigo Nuclear”, de Roberto Pires e o documentário “Ex-Pajé”, dirigido por Luiz Bolognese.

Para os estudantes que não tiveram a oportunidade de participar das sessões ou para quem quer relembrar as discussões, o projeto também grava os comentários em estúdio e disponibiliza no canal oficial da Uesb no YouTube. Mas não é só isso! Os estudantes que querem aprofundar ainda mais a percepção sobre as obras cinematográficas podem fazer isso a partir do livreto “Leituras de Cinema”, publicado pelo projeto com textos escritos pelos comentaristas convidados da edição.

A proximidade da linguagem audiovisual com os jovens da atualidade é um dos fatores que torna o “Cinema: Eis a Questão” ainda mais atrativo, segundo a professora do curso de Cinema da Uesb, Adriana Amorim, uma das comentaristas do projeto. “Falar sobre os elementos do audiovisual é mais interessante. Dá pra discutir, além do tema, coisas próprias do universo cinematográfico, falar do roteiro, fotografia, importância da trilha sonora. Os ganhos são muitos e a Uesb sempre teve essa noção, é uma universidade que tem um curso de Cinema e reconhece a importância desse curso”, ressalta a docente.