Editorial - Edição 05

Pós-Graduação

Pós-graduação na UESB cresce em diferentes áreas do conhecimento

por Patrick Moraes

zootecnia

Atualmente, a Uesb conta com 21 programas de pós-graduação, que atendem as áreas acadêmica e profissional.

Fortalecer a pós-graduação é, antes de tudo, investir na qualificação profissional e no desenvolvimento científico. Nesse sentido, a Uesb, por meio da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PPG), vem intensificando ações para contribuir com a ampliação e consolidação dos seus programas.

Em 2002, o primeiro programa de pós-graduação stricto sensu da Universidade foi implantado com a criação do Mestrado em Agronomia. Um ano depois, o campus de Itapetinga inaugurou o Programa de Pós-Graduação em Zootecnia, um dos primeiros da área na Região Nordeste do país. Com concentração em “Produção de Ruminantes”, o Programa busca atender problemas da região por meio das pesquisas desenvolvidas, como a renovação de pastagem, nutrição de ruminantes, suplementação animal no período seco, entre outros.

Hoje, o Programa já formou 134 mestres e 91 doutores, que estão inseridos tanto em instituições de ensino públicas e privadas, como em grandes empresas que buscam profissionais qualificados para área de pesquisa. “À medida que a necessidade da região vai acontecendo, o Programa vai também configurando suas pesquisas para dar respostas a essas necessidades. A pós-graduação tem dado a oportunidade do aluno já sair trabalhando na área e fazendo com que a formação dele seja plena”, avaliou o professor Fábio Andrade, atual coordenador do Programa de Zootecnia.

Novas oportunidades

Nos últimos 15 anos, o quadro de pós-graduação da Universidade veio crescendo significativamente. Hoje, são 21 programas que atendem tanto a demanda acadêmica, como a profissional. Nos três campi, a Uesb conta com quatro mestrados profissionais, um multicêntrico, 16 acadêmicos, além de seis doutorados.

grafico (1)

Em 2015, o Programa de Pós-Graduação em Enfermagem e Saúde implantou o curso de Doutorado, aprovado, um ano antes, pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Com conceito 4, o curso é o primeiro doutorado a ser criado no campus de Jequié e já está em sua terceira turma, recebendo pesquisadores de diversos estados do país interessados em ampliar sua formação. “O Programa tem atendido a uma população bastante significativa que vai além do Sudoeste da Bahia. O grande marco de todo esse período é a contribuição para formação de profissionais da área da Saúde não só da Uesb, como também de outras instituições de ensino superior do nosso e de outros estados”, pontuou a professora Alba Alves Vilela, coordenadora do Programa.

Como um Mestrado é criado?

O primeiro passo é montar uma comissão instituída por portaria de designação que irá elaborar uma proposta de criação de curso de pós-graduação e alimentar todas as informações no sistema da Capes. A estruturação da proposta deverá atender os critérios estabelecidos nos documentos de área da Capes, entre eles um corpo docente com atividades de pesquisa consolidadas, com experiência de orientação e destacada produção cientifica. Após a aprovação da Capes, o programa poderá ser implantado.

Qualidade reconhecida gera novas experiências

Em 2008, as pesquisas interdisciplinares ganharam ainda mais força com o início da primeira turma de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Memória: Linguagem e Sociedade (PPGMLS). Dois anos depois, veio a implantação do Doutorado e, em 2013, o Programa foi avaliado pela Capes com Conceito 5, passando a integrar o grupo de cursos classificados como excelência nacional. A qualidade da produção científico-acadêmica, da formação profissional e da infraestrutura, capaz de possibilitar o crescente investimento no conhecimento científico, são os fatores responsáveis por esse reconhecimento.

As experiências de formação do Programa se ampliaram com a modalidade de Mestrado Interinstitucional (Minter). Voltado para formação de mestres pertencentes a quadros de docentes de outras instituições de ensino superior, o Minter só pode ser conduzido por programas de pós-graduação com excelência nacional reconhecida pela Capes. Diante disso, o PPGMLS recebeu quatro propostas de instituições receptoras para encaminhamento de projetos Minter e, em 2015, o Programa teve a proposta aprovada pela Capes junto ao Instituto Federal do Maranhão (IFMA).

A previsão é que a formação da turma do Minter seja concluída em 2018. “Ao promover turmas do Minter, o PPGMLS busca viabilizar a formação de mestres pertencentes a quadros de docentes, subsidiar a nucleação e o fortalecimento de grupos de ensino e pesquisa, estabelecer as condições para a criação de turmas de Doutorado Interinstitucional (Dinter) e, criação de novos cursos de pós-graduação nas instituições receptoras”, apontou a professora Maria Conceição Fonseca-Silva, vice-coordenadora do Programa.

Crescimento e fortalecimento

De 2010 até hoje, a Uesb ampliou 150% do seu quadro de programas de pós-graduação, nos três campi. Foram 15 novas possibilidades criadas em diferentes áreas e com inúmeras linhas de pesquisa, buscando o desenvolvimento científico, a formação de profissionais qualificados, o desenvolvimento regional, a interiorização da pós-graduação, o fortalecimento da graduação e a visibilidade da Uesb no cenário nacional e internacional.

“A nossa política institucional consiste em oferecer as condições necessárias para que os programas de pós-graduação possam desenvolver suas atividades. Nesse contexto, dentro do orçamento previsto, buscamos estimular o aumento de docentes com doutorado e pós-doutorado, bem como submeter propostas institucionais em editais com vistas à captação de recurso para melhorar a infraestrutura dos cursos de pós-graduação. Dessa forma, procuramos estimular o desenvolvimento quantitativo e qualitativo da pós-graduação dentro da Uesb”, explicou a professora Alexilda Oliveira, pró-reitora de Pesquisa e Pós-Graduação.