Editorial - Edição 09

Pós-Graduação

Mestrado em Genética evidencia potencial e riqueza da biodiversidade na região

por Emanuela Lisboa

Principal
O Programa de Pós-Graduação em Genética, Biodiversidade e Conservação (PPGGBC), nível de Mestrado, funciona no campus de Jequié, desde 2010, tendo como um dos principais objetivos minimizar a carência na formação de recursos humanos adequados para suprir a demanda da área de Ciência e Tecnologia, contribuindo, ao mesmo tempo, para a expansão e interiorização da pós-graduação stricto sensu no Brasil. A ideia de propor um mestrado nessa área originou-se a partir de um grupo de professores da Universidade, ao verificar o grande potencial da região Sudoeste no que se refere à riqueza de material biológico, ainda pouco estudado, e da necessidade de avaliação dos impactos ambientais sofridos pela biodiversidade local.

Avaliar os impactos ambientais sofridos pela biodiversidade da região Sudoeste da Bahia é um dos objetivos do Mestrado em Genética, Biodiversidade e Conservação.

Com três linhas de pesquisa: Genética; Biodiversidade e Conservação; e Caracterização e Análise Ambiental, o Programa conta com docentes de diferentes áreas do conhecimento da Uesb, por meio dos Departamentos de Ciências Biológicas (DCB), Ciências Naturais (DCN) e de Ciência e Tecnologia (DCT), e também de Universidades Federais: da Bahia (Ufba), do Pará (UFPA) e de Pernambuco (UFPE). Isso revela o caráter multidisciplinar do Mestrado, que seleciona candidatos de diferentes áreas, sem restrição. “O perfil de atuação dos pesquisadores que compõem nosso corpo docente é multidisciplinar, dessa forma não havia sentido em restringir o perfil de nossos discentes a uma única área de formação. Já se matricularam no Programa licenciados e bacharéis em Fisioterapia, Enfermagem, Química, Farmácia, Biologia, Engenharia Florestal, Zootecnia e Veterinária”, explicou a professora Caroline Garcia, coordenadora do Mestrado. Ainda segundo a docente, esse perfil amplo reflete em uma maior diversidade de estudos que podem ser desenvolvidos, conforme as linhas de pesquisa do Programa, seus objetivos e as diferentes experiências de formação dos discentes e professores.

Essa multidisciplinaridade foi um dos aspectos que atraiu a zootecnista Eva Clícia Almeida ao Mestrado. Ela concluiu o curso em 2013 e pesquisou sobre a diversidade fenotípica de frangos nativos da raça peloco. Para Almeida, o Programa foi o passo inicial e determinante para sua carreira, por ter sido, segundo ela, seu primeiro contato com a pesquisa e por ter ampliado seu conhecimento. “O Mestrado contribuiu para o contato com outros pesquisadores, permitindo troca de conhecimento e parcerias importantes para meu futuro profissional. Além disso, abriu horizontes para que eu conseguisse ingressar no doutorado em Zootecnia na Ufba e, posteriormente, conseguisse minha primeira atuação como professora do ensino superior”, pontua Almeida.

O mestrando Darci Silva, ingressou no Programa em 2017. Segundo ele, escolheu o PPGGBC devido à área de concentração do Programa.  “Escolhi o Mestrado porque se relaciona com minha atuação profissional, na qual trabalhamos com determinantes e condicionantes ambientais sobre os problemas de saúde da população”, ressalta o pesquisador que é licenciado em Ciências Biológicas e trabalha nas funções de inspetor sanitarista e professor da rede pública.

Impactos da pós-graduação

Os programas de pós-graduação stricto sensu são importantes também porque, além de promoverem a qualificação, possibilitam a captação de recursos externos, algo essencial ao desenvolvimento das pesquisas e ao fortalecimento das universidades. No caso do PPGGBC, esses recursos permitiram a aquisição e manutenção de equipamentos, reagentes, reformas e construções de prédios de laboratórios. “Os investimentos na infraestrutura auxiliam tanto na consolidação e expansão da pós-graduação na Uesb, como também na melhoria da graduação, já que existe uma grande interação entre as duas”, destaca Garcia.

A produção científica é outro elemento significativo para a consolidação do ensino e da pesquisa na pós-graduação. Segundo a docente, no último quadriênio (2013-2016), 182 artigos científicos foram publicados em revistas indexadas, dos quais 58% são classificados em extratos acima de B2. “Vale ressaltar que B2 é um bom extrato considerado pela Capes. Somando-se a isso, o PPGGBC conta, atualmente, com sete docentes contemplados com bolsas de produtividade do CNPq. Esse indicador demonstra a importância da pós-graduação e do esforço docente na continuidade da produção científica e divulgação do conhecimento”. Ainda de acordo com a coordenadora, os estudos realizados no âmbito da Universidade têm permitindo conhecer melhor a biodiversidade regional e os impactos por ela sofridos, com divulgação em eventos nacionais e internacionais, promovendo a consolidação da Uesb como instituição geradora de conhecimento junto à comunidade científica.