Brasão UESB/Governo da Bahia

Mestrado impulsiona protagonismo de grupos étnicos

Pós-Graduação

IMG_2046

Entendendo a importância de promover o acesso à informação e formação relativas à temática das relações étnicas, a Uesb deu mais um passo nos trabalhos relacionados a essa área em 2014. Foi nesse ano que um grupo de professores do campus de Jequié aprovou, junto à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), o Programa de Pós-Graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade.

O Mestrado em Relações Étnicas e Contemporaneidade forma profissionais para atuar no ensino e na pesquisa das relações étnicas e na articulação com questões de gênero e sexualidade.

A proposta nasceu a partir dos trabalhos desenvolvidos pelo Órgão de Educação e Relações Étnicas (Odeere), implantado, no campus de Jequié, em 2005. O órgão é reconhecido como um Núcleo de Estudos Afro-brasileiros (Neab), responsável por desenvolver estudos e ações interdisciplinares de ensino, pesquisa e extensão nas temáticas voltadas para questões étnicas, raciais e de diversidade de gênero e sexual.

O projeto de criação do Programa foi articulado pelos professores Marise de Santana, Benedito Gonçalves Eugênio e Marcos Lopes de Souza, ambos da Uesb, além do professor Edson Dias Ferreira, da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs). A iniciativa contou ainda com a consultoria externa da professora Teresinha Fróes Burnham, da Universidade Federal da Bahia (Ufba).

Hoje, com três turmas de Mestrado formadas, já são quase 40 mestres e mestras capacitados para atuação nos mais diversos espaços sociais e educacionais. O Programa funciona com duas linhas de pesquisa: “Etnicidade, memória e educação” e “Etnias, gênero e diversidade sexual”.

A formação é aberta para qualquer profissional graduado que tenha interesse em desenvolver pesquisas alinhadas com as propostas trabalhadas no Programa. “Esta diversidade na formação inicial dos/as ingressantes contribui para que se possam ampliar as fronteiras do conhecimento, integrar profissionais de diferentes áreas no campo dos debates das relações étnicas e suas interfaces e, com isso, favorecer para que essas discussões se expandam”, explicou o professor Marcos Lopes, atual coordenador do Programa.

Outra característica do Mestrado é o trabalho com a interdisciplinaridade, visto que o Programa está vinculado à área básica das Sociais e Humanidades. Atualmente, o quadro docente é formado por pesquisadores de diferentes áreas do conhecimento, apresentando, como eixo de articulação, as relações étnicas, mas integrando categorias como educação, memória, gênero, sexualidade, família, dentre outras.

O impacto das pesquisas para além da sala de aula

Capas
Em 2016, o Programa lançou o primeiro volume da Revista Odeere, publicação semestral que divulga trabalhos inéditos abordando questões sobre etnicidade, relações étnicas, gênero e diversidade sexual em diferentes tempos e espaços. Hoje, já são cinco publicações disponíveis.

Além de formar profissionais para atuar tanto no ensino como na pesquisa das relações étnicas e na articulação com questões de gênero e sexualidade, o Programa possibilita a construção de políticas públicas importantes para a sociedade. “Os estudos desenvolvidos no Programa se configuram como subsídios para a construção de políticas públicas que garantam a ampliação e consolidação das ações afirmativas atendendo a grupos étnicos historicamente marginalizados, favorecendo a equidade de gênero e o reconhecimento da diversidade de gênero e sexual e auxiliando na diminuição dos processos discriminatórios, contestando o etnocentrismo, o racismo, o sexismo e a lesbohomobitransfobia”, relatou Lopes.

Entre esses estudos, é possível citar a dissertação de Wesley Santos, historiador e mestre em Relações Étnicas e Contemporaneidade pelo Programa. Sua pesquisa foi aplicada na comunidade de Nova Esperança, situada na zona rural do município de Wenceslau Guimarães e teve como foco a questão do reconhecimento étnico. Segundo Santos, a proposta era analisar como as crianças quilombolas dessa comunidade concebem e se reconhecem enquanto quilombolas, além de entender que tipo de escola/educação os membros de lá querem para as futuras gerações.

O historiador destacou ainda o intenso diálogo com as questões sociais e étnicas promovido pelo Programa, o que reforça a necessidade de colocar a diversidade como protagonista no espaço acadêmico e social. “O mestrado contribuiu, significativamente, para o meu crescimento enquanto profissional da educação, pesquisador e, sobretudo, como ser humano. Ele me permitiu ver e ler o mundo com outras lentes, e compreender que a beleza reside na diversidade e na singularidade de cada um”, declarou.

Matérias mais vistas

confira as matérias com mais cliques em nossa revista eletrônica

Especial 40 anos
Os primeiros passos de uma universidade
Especial 40 anos
A educação na região Sudoeste...
Especial 40 anos
Passado e presente se encontram em...
Especial 40 anos
40 anos desbravando os caminhos da...
Especial 40 anos
Uesb impulsiona crescimento...
Assistência Estudantil
Políticas afirmativas garantem...
Especial 40 anos
Onde são formados os professores da...
Especial 40 anos
Pesquisa e extensão a serviço da...
Especial 40 anos
40 fatos sobre a Uesb que você...
Especial 40 anos
Laboratórios qualificam a formação...
Especial 40 anos
Universidade oferece oportunidades de...
Especial 40 anos
Qual a cara da Uesb dos 40 anos?