Brasão UESB/Governo da Bahia

Pesquisa busca remédio contra a Covid-19 em compostos naturais

Pesquisa


Em meio a uma base de dados composta por 50 mil moléculas, um grupo de pesquisadores de diversos países busca a solução para combater a ação do vírus que mudou todo o mecanismo social do mundo nos últimos meses: o SARS-CoV-2 ou Coronavírus da Síndrome Respiratória Aguda Grave 2. A proposta é encontrar a composição capaz de bloquear a replicação viral do causador da Covid-19 no corpo humano.

Em andamento, estudo da Uesb, em parceria com outras instituições brasileiras e internacionais, busca encontrar droga que possa combater a ação do novo coronavírus.

Para isso, pesquisadores da Uesb e de outras instituições têm utilizado ferramentas computacionais capazes de comparar as moléculas das drogas antivirais com moléculas naturais. A partir desse comparativo, é possível detectar as combinações mais parecidas que conseguirão combater a principal enzima do vírus em estudo, a Mpro.

“A pesquisa com a Covid-19 vem da necessidade e do dever de ajudar a ciência dentro da nossa linha de pesquisa. Assim que os primeiros casos surgiram no Brasil, nós começamos a trabalhar nesse projeto e, hoje, já temos vários outros trabalhos em curso”, conta o coordenador da pesquisa, Bruno Andrade, professor do Departamento de Ciências Biológicas da Uesb. Segundo ele, não é possível dissociar o uso da Bioinformática quando se busca encontrar novos fármacos: “todos os programas e técnicas são validados e extremamente confiáveis, inclusive são os mesmos utilizados pelas grandes indústrias farmacêuticas para o desenvolvimento de drogas”, esclarece.

Em andamento, o estudo já reduziu muito esse número e finaliza a primeira etapa com 12 moléculas que apresentam maior potencial para testes in vitro e in vivo – testes laboratoriais e em células vivas, respectivamente. Agora, o estudo segue para a etapa dos testes computacionais adicionais com as moléculas. “Vamos sugerir os testes delas em células e em animais para que possam passar para as etapas com humanos”, conta Andrade. Os testes in vitro serão feitos no Laboratório de Virologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), e os primeiros resultados devem ser obtidos a partir do segundo semestre deste ano.

A Hidroxicloroquina funciona?

Apesar da hidroxicloroquina ter sido utilizada como um ponto de partida na pesquisa, visto que aparecia em outros estudos como promissora, a molécula já foi descartada e não se encontra no grupo final da primeira etapa do estudo. O pesquisador Bruno Andrade afirma que a hidroxicloroquina só deve ser utilizada caso haja alguma confirmação da sua eficácia em estudo clínico contra o vírus. “Usar a hidroxicloroquina por conta própria não garante imunidade, profilaxia ou tratamento isolado contra o vírus”, alerta.

Estudo interdisciplinar associa instituições mundiais

De forma interdisciplinar, o estudo vem sendo feito por instituições brasileiras, norte-americana e indiana. Liderada pelo Laboratório de Bioinformática e Química Computacional da Uesb, campus de Jequié, a pesquisa conta ainda com a parceria da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), da UFMG, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) do Rio de Janeiro, da Virginia Commonwealth University (EUA) e do Institute of Integrative Omicsand Applied Biotechnology (Índia).

Segundo Raner José Santana Silva, pós-doutorando do Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular da Uesc e integrante da pesquisa, a associação entre as instituições e entre áreas diferentes torna possível o desenvolvimento mais eficaz de pesquisas complexas.“O compartilhamento de equipamentos e laboratórios através de parcerias permite uma integração das infraestruturas entre as universidades e aumenta muito a capacidade de realizar estudos e experimentos científicos”, acrescenta.

Com foco no estudo dos genomas disponíveis no SARS-CoV-2, Raner explica também que encontrar compostos naturais eficientes faz diferença tanto no acesso ao remédio, como no valor. “A busca por novas drogas é extremamente importante, principalmente quando se trata de compostos naturais. Isso pode reduzir o custo de produção, tornando-a mais acessível e ampliando a quantidade de drogas para o tratamento da Covid-19”, esclarece.

Para ele, o estudo prova o potencial científico das universidades estaduais baianas. “Mesmo com recursos e investimentos menores que as grandes universidades, esse estudo mostra que as universidades estaduais baianas produzem ciência a nível internacional e destaca a qualidade dos estudantes e pesquisadores dessas instituições”, defende.

Matérias mais vistas

confira as matérias com mais cliques em nossa revista eletrônica

Especial 40 anos
Os primeiros passos de uma universidade
Especial 40 anos
A educação na região Sudoeste...
Especial 40 anos
Passado e presente se encontram em...
Especial 40 anos
40 anos desbravando os caminhos da...
Especial 40 anos
Uesb impulsiona crescimento...
Assistência Estudantil
Políticas afirmativas garantem...
Especial 40 anos
Onde são formados os professores da...
Especial 40 anos
Pesquisa e extensão a serviço da...
Especial 40 anos
40 fatos sobre a Uesb que você...
Especial 40 anos
Laboratórios qualificam a formação...
Especial 40 anos
Universidade oferece oportunidades de...
Especial 40 anos
Qual a cara da Uesb dos 40 anos?