1 – Museu Pedagógico – Casa Padre Palmeira

PRÉDIO DO VELHO GINÁSIO DE CONQUISTA

Popularmente conhecido como ‘Ginásio do Padre’, o prédio do Velho Ginásio de Conquista está localizado na Praça Sá Barreto. Segundo depoimento do Prof. Ruy Medeiros (2003):

A construção do edifício ocorreu a partir da década de 1920, por iniciativa da Igreja Católica, com subscrição pública. Construído em parte, a Prefeitura Municipal o ampliou e ali manteve estabelecimento de ensino. Porém, em 1938, a Prefeitura Municipal o devolveu à Igreja Matriz Nossa Senhora das Vitórias, mediante escritura de doação que se encontra registrada a fls. 270 do livro 3-H, do cartório do 1º ofício do Registro de Imóveis e Hipotecas da Comarca de Vitória da Conquista. No documento, o edifício foi descrito como “prédio sito à Praça Dr. Sá Barreto, nesta cidade e primeiro distrito de Conquista, contendo vinte e cinco (25) janelas de frente, duas portas (02) e dois portões, inclusive pavilhão, muro de frente, com paredes de adobes, coberto de telhas, atijolado o chão, com dois salões assoalhos, forrado, murado, edificado em terreno foreiro da mesma Igreja Matriz de Nossa Senhora das Vitórias da Conquista, cercada pelo fundo com cercas de arame nos três lados, separando-os dos vizinhos que são terrenos de Dr. Acrescência Antunes da Silveira, terrenos ocupados pelo Município e terreno da mesma Igreja dados em arrendamento a terceiros.

Segundo Medeiros (2003), após abrigar escola municipal e temporariamente o Educandário Sertanejo, propriedade do poeta Euclides Dantas. Nas décadas de 1920 e 1930, a Igreja Matriz de N. S. das Vitórias o doou ao Padre Luiz Soares Palmeira para que ali o referido religioso instalasse um ginásio (escola secundária). No mesmo ano, o Pe. Palmeira transferiu seu ginásio da Cidade de Caetité para o prédio mencionado da Praça Sá Barreto, passando a funcionar aí o primeiro ginásio da região. O Padre Palmeira construiu, em anexo, sua residência, que seria demolida, já deteriorada, na década de 1970. O Ginásio de Conquista adquiriu grande nome e muitos conquistenses, que depois seguiriam diversas profissões, aí estudaram. Em razão disso, a comunidade local tem grande carinho pela casa por onde passaram tantos alunos e professores. Posteriormente, nos anos 60, o prédio foi transferido para a Diocese que aí manteve o Colégio Diocesano até a construção de outro prédio na mesma praça, para onde transferiu suas atividades. Mas, o velho prédio continuou servindo à educação e cultura. Aí funcionou, nos anos 70, a Faculdade de Formação de Professores, embrião da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, e o Museu Padre Palmeira, ligado ao Arquivo Municipal. Doravante, o prédio encontra-se de posse da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) em regime de comodato celebrado com a Diocese de Vitória da Conquista, para abrigar, justamente, o Museu Pedagógico (MP).

Caracterização e importância

O professor Ruy Medeiros assim descreve o prédio: construído de adobes (barro/argila cru), de paredes largas (tijolos, assentados a tição, isto é, de forma a tornar grossas as paredes), conserva o padrão de arquitetura de velhos prédios de colégios, com salas amplas, grande salão, janelas altas e largas. Exceto quanto ao telhado, piso e anexo residencial, o prédio conserva-se grandemente como era.

O telhado anterior, feito de telhas vãs, foi substituído por telhado de telhas de amianto e rebaixado. O piso que era de placa de cerâmica branca cozida foi substituído por piso de cimento. A casa, que servia de residência anexa, sofreu deterioração e foi demolida.

Mas seu valor arquitetônico fica muito aquém do grande valor histórico. Pessoas de vários lugares ainda o procuram para mostrar a filhos e netos, orgulhosamente, o local onde estudaram. Afinal, era o único ginásio num grande raio de extensão e era privilégio estudar aí.

Fonte:  Relatos do professor Ruy Medeiros (MP- DCSA-UESB) para o projeto de  implementação  do “Museu Pedagógico da UESB”.

Clique aqui pra ver o estado da casa Padre Palmeira antes de ser assumido pela equipe do Museu Pedagógico (2003).


 

O MUSEU PEDAGÓGICO

Em 1988, a profa. Lívia Diana Rocha Magalhães (DFCH-UESB) convidou as professoras Albertina Lima Vasconcelos (DH-UESB), Ana Palmira Bitencourt (DCN-UESB) e Maria Aparecida Silva de Sousa (DH-UESB) a pensarem num espaço para o estudo do fenômeno educacional denominado de “Museu Pedagógico da UESB”, tomando como referência as discussões realizadas com as/os professoras (es) das licenciaturas  em torno da necessidade da  organização de condições objetivas  para a realização da pesquisa histórico-educacional. O projeto foi elaborado e se inspirou no “Pedagogium” previsto para o Brasil nos anos de 1890, mas reelaborado à luz de seu tempo e sob a perspectiva coletiva, interdisciplinar e orientado pelo princípio histórico-dialético. Contudo “o projeto ficaria hipotecado para o futuro, todavia, ainda carecia de reunir mais condições intelectuais e materiais para a sua execução” (MAGALHÃES, 2005, p. 166). Em novembro de 1999, o projeto foi retomado com a participação de professores de vários departamentos da UESB, apresentado pela equipe e aprovado no   Departamento de Filosofia e Ciências Humanas –DFCH e demais instâncias da UESB.

Objetivos
  1. Preservar e divulgar fontes documentais que testemunhem a História da Educação e das ciências na região Centro-Sul da Bahia;

  2. Propiciar à comunidade acadêmica o acesso a fontes historiográficas, seu manuseio, catalogação, visualização do acervo bibliográfico correspondente aos diversos saberes que dão sustentação e sentido à educação, nas várias áreas do conhecimento em seu processo inter/transdisciplinar;

  3. Identificar espaços de guarda de documentos que retratem a educação no Centro-sul da Bahia nos seus diversos aspectos, de forma a estabelecer permanente olhar e interpretação sobre a trajetória e história dos saberes;

  4. Viabilizar a ideia de Museu como espaço vivo de defesa e proteção do patrimônio cultural, respeito à liberdade de expressão, da crítica e das várias formas de linguagem que expressam as teorias do conhecimento sobre a educação e a história.

No ano de 2003, o Museu Pedagógico da UESB foi instalado no chamado “Ginásio do Padre”, hoje denominada pela equipe do MP como “Casa Pe. Palmeira”, graças a um acordo de comodato entre a Arquidiocese e a UESB e   efetivo trabalho da sua equipe para buscar recursos externos e internos para a recuperação do prédio.

A sua  equipe   multiciplinar composta por   professores, alunos, técnico-administrativos e profissionais de várias áreas  do conhecimento  tem criado  condições bastante favoráveis para o desenvolvimento do trabalho acadêmico coletivo e  para a efetivação do  Museu Pedagógico, como lugar de  estudo, reflexão, pesquisa, sistematização, produção e divulgação de conhecimentos e saberes que retratam a história da educação e da Ciência, no Município de Vitória da Conquista e região Centro Sul da Bahia.

O Museu Pedagógico é presidido por uma coordenação colegiada que é constituída por uma coordenação geral e representantes dos seus grupos permanentes e associados de estudos e pesquisa.

A articulação entre ensino, pesquisa e extensão, guiada pelo princípio dialético e interdisciplinar, tem se concretizado diuturnamente no Museu Pedagógico, ampliando o acesso público ao seu trabalho e a socialização dos resultados das discussões e produções dos seus grupos de pesquisa. Um dos seus objetivos principais, o levantamento, catalogação, organização e disponibilização de fontes e materiais escritos, orais, iconográficos, fílmicos, cartográficos entre outros, sempre pensados à luz das políticas de sua produção no campo da história, da educação e das ciências em sua interdisciplinaridade, resultou em importantes acervos, como foi previsto, e passaram a compor seu Centro de Documentação (CEDOC) que recebeu o nome da professora Albertina Lima Vasconcelos. Professora Albertina foi docente do Departamento de História (DH) da UESB e uma das fundadoras do MP.

Além disso, o Museu Pedagógico, mantém redes de pesquisas e estudos, nacionais e internacionais, desenvolvidos por meio de projetos de pesquisa ensino e extensão por grupos associados e parcerias diversificadas e convênios nacionais e internacionais HISTEDBR – UNICAMP, UNL-Argentina, USC e FIDCARIA-Espanha – entre outras, com as quais tem desenvolvido projetos de pesquisa, eventos e cursos conjuntos. Dentre outros projetos diretores (envolve conjuntamente a maioria ou todos os participantes dos MP)  já desenvolvidos ou em processo de realização  podemos citar: O primeiro projeto diretor do Museu Pedagógico intituldo: A Educação na Cidade de Vitória da Conquista e região: as leis, os sujeitos, os espaços, suas representações e materiais – da formação da cidade ao século XX; O Museu Pedagógico na Escola (MP – FAPESB, UESB);  Revisitando o Projeto Columbia University (MP-PPGMLS-UESB –  Histedbr-Unicamp;  UFscar; PUC-SP, UNEB  –  CAPES -FAPESB); O diálogo entre as ciências ( MP-PPGMLS- UNL /CAPES/SPU) e extensão: “Preservando o patrimônio cultural e educacional da região do Centro Sul da Bahia: O Centro de Documentação do Museu Pedagógico (PROEXT  – MEC) etc.”.

Ao longo dos seus 21 anos de trabalho o Museu Pedagógico da UESB persiste dando lastro ao Programa de Pós-Graduação Lato e Stricto Sensu em Memória Linguagem e Sociedade e consolidando a produção do conhecimento e sua socialização, inclusive realizando um Colóquio Nacional e Internacional de forma integrada, que era apresentado a cada ano e depois passou a ser bianual. Para o ano de 2021 está previsto a realização da sua XIV edição.

Fonte:  O Museu Pedagógico da UESB: projetos e publicações conjuntas da equipe do MP.

GALERIA


Páginas

2 3 4 5 6 7 8 9

Contato Rápido
Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia